Organizações Portuguesas Mobilizam-se pela Integridade

66 Organizações portuguesas subscrevem a Call to Action Anticorrupção e aderem à Campanha Anticorrupção da APEE – Associação Portuguesa de Ética Empresarial e da GCNP – Global Compact Network Portugal.

A Campanha, lançada no dia 18 de setembro último, surge em resposta à Call to Action Anticorrupção, lançada pelo United Nations Global Compact, que incentiva o setor privado a promover a tomada de medidas de transparência, integridade e boa governação por parte dos Governos, promovendo, assim, a adoção do seu Princípio 10, de acordo com o qual “as organizações devem combater a corrupção em todas as suas formas, incluindo extorsão e suborno”.

Em Portugal, a Campanha estende-se a todas as organizações – públicas, privadas, com e sem fins lucrativos – com o objetivo de que estas promovam a integridade e boa governação junto dos Governos mas também junto dos seus stakeholders, numa iniciativa que pretende chegar a toda a sociedade portuguesa.

No evento de celebração do Dia Internacional Contra a Corrupção, que decorreu a 9 de dezembro na sede da AdP – Águas de Portugal, em Lisboa, foram apresentados os próximos passos a dar: a criação da PPI – Plataforma Para a Integridade, na qual irá ser definida uma estratégia de combate à corrupção, em Portugal, em articulação com o UN Global Compact, a qual irá contar, de forma voluntária, com as organizações signatárias da Call to Action Anticorrupção.

À EDP, Siemens e Ceiia, pioneiros da iniciativa, juntam-se agora 66 outras organizações portuguesas:

ABAE – Associação Bandeira Azul da Europa; ACEESA – Associação Centro de Estudos de Economia Solidária do Atlântico; AEPSA – Associação das Empresas Portuguesas para o Sector do Ambiente; Águas de Portugal, SGPS, SA;  Águas da Região de Aveiro; Águas de Portugal Energias; Águas de Portugal Internacional; Águas de Portugal Serviços Ambientais; Águas de Santo André; Águas do Algarve; Águas do Alto Minho; Águas do Centro Litoral; Águas do Douro e Paiva; Águas do Norte; Águas do Tejo Atlântico; Águas Públicas do Alentejo; APB – Associação Portuguesa de Bancos; APDSI – Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação; Baía do Tejo; Caixa de Crédito Agrícola Mútuo do Baixo Vouga C.R.L.; Câmara Municipal de Loures; CCP – Confederação do Comércio e Serviços de Portugal; Circuito do Estoril; CNE – Corpo Nacional de Escutas; Companhia das Lezírias; Dima – Equipamentos industriais; EcoGestus; Efacec;  EPAL – Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A.; Everis Portugal; Ferconsult – Consultoria, Estudos e Projectos de Engenharia de Transportes, S.A.; Florestgal; Fundação Oriente; Fundiestamo; Groquifar – Associação de Grossistas de Produtos Químicos e Farmacêuticos; HFA – Henrique Fernando e Alves S.A.; IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, I.P.; Indaqua – Indústria e Gestão de Água; INCM – Imprensa Nacional Casa da Moeda; Infraestruturas de Portugal; Instituto de Informática, I.P.; Instituto Politécnico de Setúbal; ISCAL – Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa; Junta de Freguesia de São Domingos de Rana; Junta de Freguesia de São Miguel de Poiares; Litoral Wines; L’Oreal Portugal; Metrolitano de Lisboa, E.P.E; Montepio Geral – Associação Mutualista; Ordem dos Cidadãos; Parpública – Participações Públicas, SGPS, S.A.; Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva; Pikikos; Powerful Screen; RF – Imobiliária; Sagesecur; Securitas; Servimetro – Serviços de Meteorologia, S.A.; SIMAB – Sociedade Instaladora Mercados Abastecedores; SIMARSUL; SIMDOURO; Tabaqueira; TAP SGPS; Tobor – Acessórios para a Indústria; Universidade Católica Portuguesa; Vitality Cap.

X