Enquadramento

Após a ocorrência de fenómenos de precipitação, o percurso das águas pluviais, é inicialmente feito à superfície nas áreas impermeáveis, como por exemplo, telhados, pátios e valetas de arruamentos, mas é rapidamente conduzida para os coletores instalados subterraneamente, através das sarjetas e sumidouros, onde flui até ser devolvida aos cursos naturais de água, lagos, lagoas, baías ou no mar.

As sarjetas de passeio[1] e sumidouros[2] são importantes dispositivos de entrada de fluxos de água, dado que garantem o acesso das águas pluviais às redes de drenagem, contudo, são frequentemente objeto de deposição de resíduos, quer decorrentes do arrastamento das águas da chuva, quer decorrentes da atividade humana, como óleos alimentares, garrafas, beatas, entre outros.

Compete às autarquias não só assegurar a provisão do serviço de gestão de resíduos urbanos no seu território, garantindo a limpeza das vias e espaços públicos, sarjetas e sumidouros à superfície, mas também alertar e sensibilizar a população em geral e para a comunidade escolar em particular, para as consequências, quer nos ecossistemas terrestres, quer nos ecossistemas marinhos, da incorreta deposição dos resíduos.

É neste contexto que a ABAE lança o desafio “O mar começa aqui” a todas as autarquias do país.

Objetivos

Trata-se de uma campanha de sensibilização que visa como objetivos principais:

  • Compreender a necessidade de preservação dos ecossistemas e da biodiversidade em geral e da qualidade da água doce e salgada em particular
  • Educar para uma cidadania ativa incitando os jovens a passar a mensagem de que “Tudo o que cai no chão, vai parar ao mar” a toda a comunidade educativa
  • Estimular a criatividade dos alunos, através do desenvolvimento de competências em áreas como a expressão plástica.
  • Implementar estratégias de cooperação escolas-autarquias para a promoção da sustentabilidade.


[1] as sarjetas de passeio são dispositivos sempre associados a um lancil do passeio, com entrada lateral de caudal.

[2] os sumidouros são considerados dispositivos que podem estar associados a um lancil ou a uma valeta, cuja entrada de caudal é feita superiormente, através de grade.

Regulamento

O projeto concretiza-se com a pintura das sarjetas e sumidouros nas escolas e espaço público, conforme orientações do município e respetivas Juntas de Freguesia que são desafiadas a integrar o projeto.

As escolas do concelho são convidadas a aderir, apresentando um projeto relativo à “maquete” da pintura que pretendem reproduzir nas sarjetas/sumidouros. Esta deverá conter a frase “O mar começa aqui”.

Após a receção dos projetos de cada escola, eles serão validados pelo júri que inclui o município e respetiva freguesia em que se insere a escola.

Os alunos das escolas que tenham o seu projeto validado serão convidados a realizar as pinturas na escola e área envolvente, pela Câmara Municipal e/ou a Freguesia,  que fornecerão as tintas “amigas do ambiente” e agilizarão as respetivas condições e autorizações para a intervenção em espaço público, avaliando a  sua exequibilidade em condições de segurança.

(Fase Opcional) – As fotografias das pinturas realizadas serão enviadas para um concurso/campanha a realizar durante 15 dias no Facebook.  Os autores das fotografias com mais interações serão premiados.

Através da seleção pelo júri poderão ainda vir a ser atribuídos prémios por município e/ou freguesia.

Metodologia

Na concretização do projeto, as escolas, deverão utilizar as estratégias que considerem mais adequadas.

Sugere-se a investigação sobre o ciclo da água e o ciclo urbano da água, bem como sobre a função, funcionamento, rede e localização das sarjetas e sumidouros existentes no bairro/freguesia onde se localiza a escola.

Complementarmente, deverão ser discutidos os temas como o tempo de degradação dos resíduos, a contaminação das linhas de água, a rede hidrográfica, a poluição marinha, o impacto da poluição das águas doces e salgadas nos diversos ecossistemas.

Visando uma campanha de sensibilização da comunidade, deve ser criada uma imagem destinada a ser pintada junto a uma sarjeta ou sumidouros de águas pluviais, dentro da escola e/ou na sua envolvência. As cores utilizadas ficam ao critério da escola. A dimensão da imagem não deve exceder o tamanho da sarjeta/sumidouro. O protótipo de imagem a enviar para seleção, deve ser incluir a relação entre a pintura e a sarjeta/sumidouro.

Recomenda-se o envolvimento do maior número possível de alunos neste projeto sugerindo-se que a seleção da imagem a apresentar por cada escola resulte de um concurso interno.

Se a imagem for validada, as sarjetas dentro do recinto escolar (e eventualmente no espaço exterior) devem ser pintadas pelos alunos.

Junto da pintura deverão aparecer os logotipos  das Eco-Escolas e autarquia(s) envolvida(s).

Recursos disponíveis

A CM  e/ou as respetivas Juntas de Freguesias asseguram os materiais, meios e autorizações necessários à execução das pinturas no espaço público

Destinatários
  • Todas as escolas do país.
Como Participar

Para participar nesta iniciativa, o município deve submeter o seguinte formulário de inscrição até ao dia 30 de janeiro 2020. Posteriormente,  o(a) professor(a) coordenador(a) da Escola que vai desenvolver a atividade no município, inscreve-se no desafio através da plataforma Eco-Escolas

Regras:

  1. Deve ser criada uma imagem destinada a ser pintada junto a uma sarjeta ou sumidouros de águas pluviais, dentro da escola e/ou na sua envolvência.
  2. As escolas são convidadas a apresentar um projeto relativo à “maquete” da pintura que pretendem reproduzir nas sarjetas/sumidouros. Esta deverá conter a frase “O mar começa aqui”. O protótipo de imagem enviada deve incluir a relação entre a pintura e a sarjeta/sumidouro.
  3. Após a receção dos projetos de cada escola, eles serão validados pelo Júri que inclui o Município e respetiva Junta de Freguesia em que se insere a escola.
  4. Os alunos das escolas que tenham o seu projeto validado serão convidados a realizar as pinturas na escola e área envolvente, pela Câmara Municipal e/ou a Junta de Freguesia, que fornecerão as tintas “amigas do ambiente” e agilizarão as respetivas condições e autorizações para a intervenção em espaço público, avaliando a sua exequibilidade em condições de segurança.
  5. As sarjetas das pinturas validadas devem ser pintadas pelos alunos. As cores utilizadas ficam ao critério da escola. A dimensão da imagem não deve exceder o tamanho da sarjeta/sumidouro. Junto da pintura deverão aparecer os logotipos da Eco-Escolas, Autarquia e Junta de Freguesia.
  6. Cada escola poderá posteriormente fotografar a sua pintura para submeter a novo concurso, a realizar durante 15 dias no Facebook.  A Escola com a fotografia com mais “Gostos” será premiada, revertendo o prémio para a respetiva escola.


Prazos
  • Até 30 de janeiro: inscrição. 
  • Até 20 de abril: submissão do projeto de cada escola.
  • Até 30 de abril: seleção das imagens a pintar e convite às escolas.
  • 20 de maio Dia Europeu do Mar: pintura das sarjetas/sumidouros.
  • Até  15 de junho: envio de fotografias das pinturas executadas nas diferentes freguesias.
  • De 1 a 15  de julho: votação no Facebook das sarjetas pintadas.
  • 30 de julho: divulgação dos premiados.

 

Cada escola pode concorrer apenas com um projeto. Para participar no concurso devem ser apresentados os seguintes elementos:

  • Imagem em formato .jpeg
  • Memória descritiva da imagem
  • Memória descritiva do projeto – até uma página A4 com: a identificação da escola e do(a) professor(a) coordenador(a) da atividade; o número, a idade e ano de escolaridade dos alunos; síntese das varias fases do projeto.